Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://whynotjb.blogs.sapo.pt

Moda,maquilhagem e produtos de beleza.Um pouco de tudo o que gosto.

http://whynotjb.blogs.sapo.pt

Moda,maquilhagem e produtos de beleza.Um pouco de tudo o que gosto.

Será que é só comigo?

Pois que vou começar a contar a minha pequena história...

Sempre que vou a uma loja MAC sou mal atendida...

Passo a explicar,ontem fui á MAC do Columbo assim como quem não quer a coisa com o objectivo de apenas comprar o meu correctivo o Prolong Wear pois o que usei no verão tornou-se muito escuro para o meu tom de pele actual.Aproximo me de uma funcionária e peço lhe para experimentar o corrector na cor abaixo da que costumo usar  (no verão usei a NW 30) logo seria lógico experimentar o NW 25.Ela foi buscar o corrector e pediu me para me sentar...Quando chegou ao pé de mim perguntou me se tinha algum tipo de maquilhagem ao que eu respondi que tinha um pouco de corrector,blush e rímel.Trata então de me esfregar a zona do contorno de olhos com um lençinho e desmaquilhante...Até aqui tudo mais ou menos,pois eu já sei por experiências anteriores que as funcionárias que apanho na MAC são do mais antipático possível.Depois de me ter aplicado o corrector e termos chegado á conclusão que a nova cor NW 20 seria a mais indicada,passei ao passo seguinte.Contra os meus gostos pessoais pedi lhe para experimentar batons com cor nude,pois não tenho nenhum que goste e porque tenho sempre tendência para comprar batons com cores mais fortes e vibrantes.

Comecei pelo Honey Love,sugerido por ela, apliquei,olhei me ao espelho e disse lhe que não gostava,dava me um aspecto apagado e adoentado,ao que ela se virá assim muito despachada :Tire me isso!!! Deviam ouvir o tom com que ela disse isto.

Pois para concluir esta pequena história a fulaninha nem se deu ao trabalho de sugerir outro tom dentro dos tons nude...

Vai directamente para a caixa e só lá me pergunta se era só o corrector que ia levar!A sorte dela é que as minhas olheiras não são para brincadeiras senão nem a porcaria do corrector levava.

Senhores que recrutam as funcionárias para esta loja devem ter como requisitos para a admissão os seguintes:

Pele com reboco em vez de maquilhagem;

Antipatia natural;

Snobismo e autoritarismo;

E basicamente não gostarem de vender,pois nem se quer se dão ao trabalho de sugerir outros produtos ou cores.

Eu bem sei que a marca vende e vende mas com este mau atendimento não sei se me vão vender mais alguma coisinha.É que já não é a primeira nem segunda e muito menos a terceira vez que isto me acontece.

Desabafos...

 

 

Beauty Book # 7 Mel

Target-Beauty-Book.jpgmel.jpg

 

 

 

 

O Mel como aliado da nossa pele.... 

 

 O mel é rico em substâncias nutritivas e tem propriedades antioxidantes,remineralizantes e hidratantes.Como tem estas características é usado em cosmética há muitos anos sendo um aliado perfeito para a nossa pele.Como tem um efeito antioxidante poderoso possui uma acção antibiótica natural,beneficiando a pele com as suas vitaminas B e C,zinco e ácidos lácticos e cítricos (propriedades esfoliantes).O mel é indicado para todos os tipos de pele em especial para as peles secas e para pessoas que tenham tendência a fazer retenção de líquidos.

Receitas com mel:

Esfoliação do rosto e lábios

Misturar mel com açúcar e aplicar no rosto e lábios fazendo movimentos circulares muito suaves.A pele e os lábios ficam super aveludados e com um aspecto mais uniforme.Deve se fazer esta aplicação de 15 em 15 dias.

Hidratação do rosto

Bater uma clara de ovo com mel e aplicar no rosto,deixar a máscara e endurecer.A pele fica com um toque acetinado.

Retenção de líquidos

Misturar borra de café com mel,com esta máscara o rosto fica hidratado e desinchado (pela acção da cafeína).

 

Unhas para o Halloween

   

 

Depois da introdução (fonte Wikipédia) á celebração que se comemora amanhã o Dia das Bruxas, lembrei me que seria giro colocar algumas imagens de nail art para quem quiser marcar o dia sem se mascarar. Mesmo não sendo uma tradição portuguesa é uma tradição que sinto que faz parte da minha vida desde tenra idade (sim professoras de Inglês do ensino básico é com vocês).

Então aqui ficam algumas sugestões:

unhas4.jpg

Bem ao estilo gótico...

unhas 3.jpg

 

Com tatuagens temporárias... (fica bem giro)

unhas.jpg

 

 

Fantasminhas (fofo) 

unhas1.jpg

 

 Crazy eyes

Unhas-do-Halloween-4.jpg

Em laranja e preto.

 

Pessoalmente não gosto muito de nail art mas para uma saída á noite no Dia das Bruxas acho que é uma forma discreta de assinalar a data.

Halloween

O Dia das Bruxas é um evento cultural que ocorre sobretudo em países de língua inglesa,Estados Unidos,Canadá e Reino Unido tendo como origem as celebrações dos antigos povos Celtas

A origem do Halloween traz às tradições dos povos que habitaram a Gália e as ilhas da Grã-Bretanha entre os anos 600 a.C. e 800 d.C., embora com marcas das diferenças em relação às atuais abóboras ou da muita famosa frase "doces ou travessuras", exportada pelos Estados Unidos, que popularizaram a comemoração. Originalmente, o Halloween não tinha relação com bruxas. Era um festival do calendário celta da Irlanda, o festival de Samhain, celebrado entre30 de outubro e 2 de novembro e marcava o fim do verão (samhain significa literalmente "fim do verão").

 

Origem Pagã

A origem pagã do "dia das bruxas" tem a ver com a celebração celta chamada Samhain, que tinha como objetivo dar culto aos mortos e à deusa YuuByeol (símbolo antigo da perfeição celta). A invasão das Ilhas Britânicas pelos Romanos (46 A.C.) acabou mesclando a cultura latina com a celta, sendo que esta última acabou minguando com o tempo. Em fins do século II, com a evangelização desses territórios, a religião dos Celtas, chamada druidismo, já tinha desaparecido na maioria das comunidades. Pouco sabemos sobre a religião dos druidas, pois não se escreveu nada sobre ela: tudo era transmitido oralmente de geração para geração. Sabe-se que as festividades do Samhan eram celebradas muito possivelmente entre os dias 5 e 7 de novembro (a meio caminho entre o equinócio de outono e o solstício de inverno, no hemisfério norte). Eram precedidas por uma série de festejos que duravam uma semana, e davam ao ano novo celta. A "festa dos mortos" era uma das suas datas mais importantes, pois celebrava o que para os cristãos seriam "o céu e a terra" (conceitos que só chegaram com o cristianismo). Para os celtas, o lugar dos mortos era um lugar de felicidade perfeita, onde não haveria fome nem dor. As festas eram presididas pelos sacerdotes druidas, que atuavam como "médiuns" entre as pessoas e os seus antepassados. Dizia-se também que os espíritos dos mortos voltavam nessa data para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares rumo ao outro mundo.

Desde o século IV a Igreja da Síria consagrava um dia para festejar "Todos os Mártires". Três séculos mais tarde o Papa Bonifácio IV († 615) transformou um templo romano dedicado a todos os deuses (Panteão) num templo cristão e o dedicou a "Todos os Santos", a todos os que nos precederam na fé. A festa em honra de Todos os Santos, inicialmente era celebrada no dia 13 de maio, mas o Papa Gregório III († 741) mudou a data para 1 de novembro, que era o dia da dedicação da capela de Todos os Santos na Basílica de São Pedro, em Roma. Mais tarde, no ano de 840, o Papa Gregório IV ordenou que a festa de Todos os Santos fosse celebrada universalmente. Como festa grande, esta também ganhou a sua celebração vespertina ou vigília, que prepara a festa no dia anterior (31 de outubro). Na tradução para o inglês, essa vigília era chamada All Hallow’s Eve (Vigília de Todos os Santos), passando depois pelas formas All Hallowed Eve e "All Hallow Een" até chegar à palavra atual "Halloween".

Se analisarmos o modo como o Halloween é celebrado hoje, veremos que pouco tem a ver com as suas origens: só restou uma alusão aos mortos, mas com um carácter completamente distinto do que tinha ao princípio. Além disso foi sendo pouco a pouco incorporada toda uma série de elementos estranhos tanto à festa de Finados como à de Todos os Santos.

Entre os elementos acrescidos, temos por exemplo o costume dos "disfarces", muito possivelmente nascido na França entre os séculos XIV e XV. Nessa época a Europa foi flagelada pela Peste Negra e a peste bubônica dizimou perto da metade da população do Continente, criando entre os católicos um grande temor e preocupação com a morte. Multiplicaram se as Missas na festa dos Fiéis Defuntos e nasceram muitas representações artísticas que recordavam às pessoas a sua própria mortalidade, algumas dessas representações eram conhecidas como danças da morte ou danças macabras.

Alguns fiéis, dotados de um espírito mais burlesco, costumavam adornar na véspera da festa de finados as paredes dos cemitérios com imagens do diabo puxando uma fila de pessoas para a tumba: papas, reis, damas, cavaleiros, monges, camponeses, leprosos, etc. (afinal, a morte não respeita ninguém). Também eram feitas representações cênicas, com pessoas disfarçadas de personalidades famosas e personificando inclusive a morte, à qual todos deveriam chegar.

Na Idade Média, um costume do Dia de Finados era o souling (de "soul", alma), em que crianças iam pedindo pelas portas um bolo, o "bolo das almas", em troca do qual fazia uma oração pelos familiares falecidos de quem lhes dava o bolo6 . Essa tradição poderá ter evoluído para a tradição de pedir um doce, sob ameaça de fazer uma travessura (trick or treat, "doce ou travessura"), que teve possivelmente origem na Inglaterra, no período da perseguição protestante contra os católicos (1500-1700). Nesse período, os católicos ingleses foram privados dos seus direitos legais e não podiam exercer nenhum cargo público. Além disso, foram lhes infligidas multas, altos impostos e até mesmo a prisão. Celebrar a missa era passível da pena capital e centenas de sacerdotes foram martirizados. Produto dessa perseguição foi a tentativa de atentado contra o rei protestante Jorge I. O plano, conhecido como Gunpowder Plot ("Conspiração da pólvora"), era fazer explodir o Parlamento, matando o rei, e assim dar início a um levante dos católicos oprimidos. A trama foi descoberta em 5 de novembro de 1605, quando um católico converso chamado Guy Fawkes foi apanhado guardando pólvora na sua casa, tendo sido enforcado logo em seguida. Em pouco tempo a data converteu se numa grande festa na Inglaterra (que perdura até hoje): muitos protestantes a celebravam usando máscaras e visitando as casas dos católicos para exigir deles cerveja e pastéis, dizendo-lhes: trick or treat (doce ou travessuras). Mais tarde, a comemoração do dia de Guy Fawkes chegou à América trazida pelos primeiros colonos, que a transferiram para o dia 31 de outubro, unindo a com a festa do Halloween, que havia sido introduzida no país pelos imigrantes irlandeses. Vemos, portanto, que a atual festa do Halloween é produto da mescla de muitas tradições, trazidas pelos colonos no século XVIII para os Estados Unidos e ali integradas de modo peculiar na sua cultura. Muitas delas já foram esquecidas na Europa, onde hoje, por colonização cultural dos Estados Unidos, aparece o Halloween enquanto desaparecem as tradições locais.

(Fonte Wikipédia)